O esquecido

Ouça o ódio que eu canto
veja o terror em cada canto
eu não vou te dar descanso
quero que derrame sangue seu
que jorre terror no breu
e que você trema de medo se possuir algo meu.

Não ouse me encarar nos olhos
se não quiser perder seus sonhos
porque no fundo da minha alma
não tem nenhuma criança sorrindo
há apenas um homem triste e sofrido.

Não venha tentar me amar
eu já fui jogado às trevas
nem tente me resgatar
porque é aqui que eu quero ficar.

Não me venha com desculpas
eu não escolhi esse caminho
mas você me deixou sozinho
quando eu mais precisei de carinho.

Agora que não tem mais jeito
eu vou morrendo aos poucos
vou ficando cada dia mais ansioso
pelo dia da morte solitária
já que não existe mais ninguém
que me amarra a essa vida amarga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.