A morte de Baltazar

olhos cansados, pálpebras caídas,
já doídas de tanto piscar rapidamente
num ato solene veio à se fechar,
eu chorando vim à derramar
gotas dos olhos que ainda
piscavam ardidos sobre
o corpo do meu mais querido amigo,
João Baltazar.

Velho guerreiro, amigo, companheiro,
à sua honra eu hei de zelar,
todos os feitos e conquistas
não irão se dissipar
ao longo dos anos,
todos irão lembrar,
nem que seja por um segundo,
do mundo que Baltazar
veio a transformar.

Memorável homem, vencedor das batalhas do dia,
sua morte é agonia pra todos que ficam do lado de cá.
Mas sua briga será comprada, a batalha não está terminada
até que todos os assassinos em baixo do chão venham morar!

Cansado estou e você também estava,
da impunidade que nos assombra.
Resolveu se infiltrar
pra tentar acabar com isso
mas o ocorrido mostra a falha
do guerreiro, amigo
que nessa luta perdeu a vida.

Posso até perder a minha,
mas minha alma não será mais minha
se não terminar ou tentar diminuir
o que João Baltazar queria terminar,
a violência que não sai desse lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.