A musa sem nome

Numa manhã de primavera,
dessas em que não esperamos
nada de especial,
eu te vi.

Não sabia seu nome,
nem onde morava,
com quem, e se namorava
mas, decidi, era minha amada.

Mas o que era eu perto
da senhorita?
um nada, era pouco.

Ouvi tanto de você,
é famosa por aqui,
importante…
E eu, eu sou um nada…

Mas um dia você aparece,
senta na cadeira do restaurante
e eu, com o coração palpitante,
vou lhe atender.

Sim o que deseja?
nada, só quero conversar.
Conversar?
Isso.

E assim ela abre um sorriso,
convidativo, para que eu
possa me sentar.

Como é pessoa importante,
ninguém foi ousado o bastante,
para nos incomodar.
E alí ficamos bons minutos
a trocar olhares matutos.

Mas apesar da conversa boa
você disse que a hora voa
e que devia ir,
porém, que não via a hora de vir
papear, e quem sabe até lanchar,
nesse restaurante-botequim.

Conto “Caso de bar”

Leia também

Parte 2 – Um nome e um mistério

4 comentários sobre “A musa sem nome

  1. Eu diria que não ficou ruim, no entanto, você já fez obras melhores…

    O amor é algo inexplicável, não?

    A historinha ficou diferente, eu diria… E com um gostinho de quero-mais, já que deixa um final em aberto, libertando a imaginação do leitor para um desenvolvimento completamente subjetivo…

    Abraços ^^

  2. Eu diria que não ficou ruim, no entanto, você já fez obras melhores…

    O amor é algo inexplicável, não?

    A historinha ficou diferente, eu diria… E com um gostinho de quero-mais, já que deixa um final em aberto, libertando a imaginação do leitor para um desenvolvimento completamente subjetivo…

    Abraços ^^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.