No escuro

No escuro, a pupila dilata,
tudo se cala, e o ouvido encara
qualquer ruído como uma bala.

No escuro, o tato fala
e a percepção vira arma
para sobrevivência.

No escuro, não há diferença,
ninguém enxerga defeito,
só se vê com a mão.

No escuro, o absurdo não existe,
nada disso persisti na escuridão.
Somos iguais na sombra
e na sombra devemos viver,
pois nela só se observa o coração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.