Testamento

Que fiquem as realizações dessa vida
que fiquem as alegrias e os sorrisos das pessoas a minha volta
das pessoas que amo, que sempre amei, que nunca guardei revolta

De tudo que construí, riquezas e valores
patrimônios e até os sonhos que deixei para alguém seguir,
que nada disso importe para quem ficar

Porque isso você não vai levar quando partir
e da mesma maneira que faço agora
você também sentará numa mesa de madeira,
talvez a mais simples que você já viu,
e com a alma mais levada do que nunca
verá que tudo o que você tem vale enquanto viver

Em vida você multiplicará suas conquistas,
mas quando for se sentar numa mesa de madeira…
A última coisa em que vai pensar será naquele carro de luxo
(porque ele não vai te levar para o céu)
nem naquele som novo que você comprou
(porque no inferno eu duvido que você consiga cantar)

Só sentado nessa mesa de madeira
você irá se perguntar do porque da sua vida
afinal de contas, tudo o que for seu, você deixará para alguém

Sua ambição no fim de tudo
nada lhe deu, tudo, mas tudo mesmo
que foi seu, nunca, de fato, foi só seu

Você então vai ficar arrependido e se perguntar
“O que foi que me deu?”
“Nada do que vivi valeu…”

E então em uma mesa velha o seu mundo adormecerá,
sua cabeça repousará e a mesa velha cederá;
pobre de mim mesmo que passo essa mensagem
para que você não viva do mesmo erro que eu
porque sou tão igual a essa mesa velha
que há tempos apodreceu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.