Deportado

Aqui tá difícil, não conheço nada, não tenho amigos
aí o mundo pára cedo, você não vê o sol se pôr
mas aqui, meu amor, a gente trabalha com fervor
não tem descanso, ninguém pra curar nossa dor

Queria mudar a nossa realidade
enfrentar as armadas
pra dar mais sossego as amadas da nossa pátria
não adiantou.

Eles eram muitos e o poder aí tá na arma
fui mandado embora pra cá
com uma desculpa qualquer
de ter ofendido a honra da nação

Ainda não me arrependi,
apesar do tanto que tenho sofrido aqui,
de ter feito o que fiz
mesmo escondendo nas entrelinhas
as denuncias que quis

Acho que é disso que eles têm medo
das verdades que digo sem que eles entendam
não aceitam ser enganados
era confortável que eles tivessem o controle de tudo

Eu lhes tirei a segurança
apesar do poder de fogo
ficaram com as mãos atadas
porque eu dava esperança
de uma nova pátria amada

Foi mais fácil que me mandassem pra cá
um lugar desconhecido onde nada posso fazer
querem me colocar medo

Mas mesmo aqui, de tão longe,
mostro-me guerreiro
mesmo sem escudo
sem minha tinta e um pedaço de papel
tudo consigo quando sou fiel aos meus princípios

Esse recado vem em poema
pra não ser receptado antes da entrega
só pra te dar notícias de meu paradeiro
qualquer dia sei que volto pro meu antigo leito
mas por enquanto durmo aqui distante
sonhando no dia de ver seu rosto
que ventos trazem ao meu pensamento

Felizmente fiz a amizade que precisava
mesmo na cela consigo rabiscar algumas poucas palavras
não é todo dia porque aqui as coisas são muito bem controladas,
mas ainda consigo dizer que não esqueci um segundo sequer de você

4 comentários sobre “Deportado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.