A vendida

“Entre se buscas prazer
estou pronta para te satisfazer
em troca de algum dinheiro”

Faz-me instrumento de tuas experiências
este é o meu trabalho
Explora tua imaginação e põe em prática
os teus desejos de menino

Sei o que sentes no auge de tua mocidade
não és o primeiro que procura os meus serviços
pela explosão de teus hormônios

“Entre se buscas prazer
estou pronta para te satisfazer
em troca de algum dinheiro”

Toma-me em teus braços fortes
que sentem necessidade de posse
do controle da situação
E eu aceito em troca de dinheiro

Depois de tudo explorado
assim que conseguires saciedade
das tuas necessidades masculinas
e cansar o meu corpo de mulher vendida
o convite preso à porta mudará.

Quem agora nesse estabelecimento
sujo e malcheiroso entrar, lerá:

“Estou grata pelo prazer que foi dado
porém estou mais orgulhosa
pelo dinheiro recebido porque é assim
que consigo meu sustento diário”

E um pedido de perdão logo ao lado:

“Perdoai-me Senhor se uso de minha moradia terrena,
se sujo minha alma desse modo
ou se tiro vidas que já habitaram meu ventre
infelizmente o desespero pela sobrevivência me remete ao pecado”

Participação com este poema em:
Livro: Latinidade Poética – O melhor da poesia latino-americana
Projeto:48 horas
Editora: All Print Editora
Ano: 2009

3 comentários sobre “A vendida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.