A dispensa

O que será preciso
para fazer você entender
que eu não te quero

De quantos “nãos” você precisa
pra entender que mudei,
que esqueci de você

Não percebe que sua
insistência, além de incômoda,
não vai levar a nada

Só tenho um recado
você não me perdeu,
não tem motivo
para amargura,
o que mudou foi
o meu jeito de pensar
e a possibilidade de achar
algo melhor que você

Retribuição em verso

Quis eu um dia desses
retribuir valores com versos
quis um dia eu
dizer que te amava rimando
vontade de te ter
com necessidade de dizer
que te amo

Quis eu que você ficasse feliz
e tentei escrever que felicidade
não era sentimento difícil de se ter
quando por aqui se tinha você
para conversar

Quis eu que tivesse
uma maneira de te tocar
a alma

Achei esse meio de versos
vago e não me via
a te homenagear assim
por achar, talvez pra mim,
que só isso era pouco

Queria eu mesmo
era estar com você
próximo o bastante
para te dizer
olho no olho
que te amo

Ao ponto de conseguir
bem perto de ti
sentir sua respiração
em resposta acelerar

Mas enquanto esse desejo
não me é concedido
digo ao amigo
que esses versos
aqui escritos
não são nada comparado
ao que eu sinto
por dentro

*Para Diego Oliveira de Lima pelo apoio e consideração. Por tudo o que tem feito e pela ajuda na evolução pessoal e profissional com suas palavras de incentivo

O roteiro

Vivemos num sistema mutante
que engana quem dele participa
prometendo falsa liberdade

Vivemos no sistema
que se diz não existente
que finge dar autonomia
a quem dele vira refém

Vivemos num sistema
que sabemos ser bem controlado
e queremos descontrolar
mas até nesse ponto
já sabem o que faremos

Não adianta fugir
eles sabem o que você quer e o que
vai fazer para tentar conseguir

Não adianta chorar
eles sabem o quanto
você vai derramar de lágrimas

É tudo bem feito
tudo bem manipulado
e não adianta ter negado
eles sabem que você negou

O jogo começou há muitos anos
e não pense que está perto do fim
é sempre assim, eles sabem de tudo
e tudo querem deter

Porque não há nada que se possa fazer
se sua mente já foi criada apta a obedecer
os comandos e recados, não tente ignorar,
você não vence o sistema porque é parte dele

Você é um pequeno sistema dentro de uma maior
você é como uma novela escrita há muito tempo
vive no seu núcleo, vivendo com poucos
e assim a história é regida
e redigida sem que você possa mudar
uma palavra sequer do roteiro

Dois

Olha, hoje não quero ser um fardo pra você
eu sei o que você vai dizer, não é isso que sou
mas eu não posso mais te enganar

Eu não sei mais como viver gostando de dois
até agora deu pra segurar, mas já chega,
não é correto assim amar

Mas, e então
sou ele ou eu

E o quê eu faço
se não posso te obrigar
E como eu vivo sendo
por tanto tempo enganado,
já acostumado com o seu carinho

Mas a confusão está feita
vê se aceita e me perdoa
vê se não sofre assim à toa
e aceita o fato que meu coração
já não é mais seu há muito tempo

É, eu sei, tinha percebido
que aquele tal de amigo
te olhava meio esquisito
na primeira vez que o vi

É, parece que sim,
não é só por mim
que pretendo terminar
é que acho errado
te enganar tanto,
tanto tempo assim

Mas será que não dá
pra reconsiderar…
Pense em tudo
que a gente viveu…

E então,
sou ele ou eu?

Não me confunda mais
não me torture
eu já não saí impune
por te deixar

Pode ter certeza
que metade do meu coração
foi seu, mas é doloroso
dividi-lo pela metade

E antes que eu desmaie de dor
deixe que eu sinta o calor de um só
porque é frio demais da minha parte
ter dois sofrendo por mim
pois um sempre me cobrará
que o ame completamente