Dois

Olha, hoje não quero ser um fardo pra você
eu sei o que você vai dizer, não é isso que sou
mas eu não posso mais te enganar

Eu não sei mais como viver gostando de dois
até agora deu pra segurar, mas já chega,
não é correto assim amar

Mas, e então
sou ele ou eu

E o quê eu faço
se não posso te obrigar
E como eu vivo sendo
por tanto tempo enganado,
já acostumado com o seu carinho

Mas a confusão está feita
vê se aceita e me perdoa
vê se não sofre assim à toa
e aceita o fato que meu coração
já não é mais seu há muito tempo

É, eu sei, tinha percebido
que aquele tal de amigo
te olhava meio esquisito
na primeira vez que o vi

É, parece que sim,
não é só por mim
que pretendo terminar
é que acho errado
te enganar tanto,
tanto tempo assim

Mas será que não dá
pra reconsiderar…
Pense em tudo
que a gente viveu…

E então,
sou ele ou eu?

Não me confunda mais
não me torture
eu já não saí impune
por te deixar

Pode ter certeza
que metade do meu coração
foi seu, mas é doloroso
dividi-lo pela metade

E antes que eu desmaie de dor
deixe que eu sinta o calor de um só
porque é frio demais da minha parte
ter dois sofrendo por mim
pois um sempre me cobrará
que o ame completamente

2 comentários sobre “Dois

  1. Pedro disse:

    Mais uma vez nosso amigo Jefferson fez o que faz de melhor,passou o rodo.hehe XD,trabalho espetacular amigo,está denso sem ser enfadonho,mais uma vez você acertou o meio termo entre o conteúdo e o bom gosto,com uma tenacidade impecável.continue o bom trabalho e mantenha a poesia sempre acesa em seu sangue.Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.