Um amor das águas

Quando eu passava pela praia
na orla extensa e suja
que Deus não me iluda
não acreditei no que vi

Banhada, molhada
salgada, temperada
das águas saia
com um quase nada

Na beira-mar
olhar não deveria
hipnotizado estava
seu corpo me arrepia

Não consegui me mover
areia movediça
morena da marquinha
sua beleza alucina

Quando vi, você passou
tão longe de mim decepcionou
meus olhos salgados ficaram
quando você beijou seu protetor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.