Ditadura

Eu não vou me submeter às suas regras, às suas ordens infundamentadas
não adianta excércitos armados, meu punhal de inteligencia detona
todas as bombas do destino que parece irremediavel

Só sei que de imediato não me deixo abater
nem que duzentos homens e outros tantos à cavalo
façam-me correr, não adianta, eu me vingo, eu te venço
eu não me vendo a você, nem a sua doutrina,
nem a sua mente maligna que busca poder

Eu não me intimido, quem é tímido é fraco
há de convir que eu não sou dessa classe
faço da arte meu protesto, e antes que eu caia no tédio
deixa eu fechar sem rédias de fim, as frestas da denúncia
de erros seus, de erros sociais que seguem uma cabeça só…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.