Sem sentido

Eu vejo meninos iludidos
almas aflitas, perdidos
artilharia pesada
alma penada com o futuro entregue

Balas à venda na lachonete
tiros de ak-47, marchem!
Sim, senhor!

Matem e defendam
morte por encomenda
trajados de verde
sede de sangue

Olhos profundos,
o primeiro morimbundo não se esquece
o primeiro tiro no peito nos empalidece

Sangue frio, não cesse
falta matar mais 947

Que um corpo caia
que os olhos inimigos se fechem
que eu sinta prazer em tirar vida
brincar de capeta, brincar de tira
brincar de demonio, dar risada
de um corpo putrefato

Que eu pague pelos pecados em outra vida
porque a saida será queimar carma uma encarnação inteira
nessa já não dá mais tempo

Tenho que obedecer o sargento
ou, eu lamento, e vou para o saco
me darão veneno, câmara de gás lacrimogêneo
traidor da pátria….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.