Comodismo popular

Preste atenção no que vou lhe contar
permita-me alertar que enquanto você
preocupa-se em que conta pagar
e usa seu carro para ir passear

As nossas matas sofrem
os nossos rios secam
as nossas terras desmancham
os ares jã não são puros

Desculpe-me, mas preste atenção
enquanto você se refresca na sua mansão
com ar condicionado e concreto para todos os lados
o berço do Brasil tenta defendê-lo sem sucesso

É certo, Cabral quando aqui chegou
já encontrou os soldados da natureza
índios inocentes, que triteza, veem
as nossas belezas ruirem

Desculpe-me o incomodo
talvez você ache isso papo furado
ambientalista desocupado
até coisinha de viado

Talvez essa palavra vulgar
essa única palavra baixa
chame finalmente sua atenção
para ouvir que essa canção é de lamento

Talvez você considere e pense
que dê as costas para ele
somente com a intenção de mudança

Se acha que as suas crianças vão desfrutar do que vive hoje
coitadas, meu Deus, coitadas destes novos seres
não tem ainda o poder de decisão
mas serão punidos por comodismo popular

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.