Maldição

Cedido por Gustavo Stresser

 

Não caberá mais ao mundo mulheres sedutoras
senhores imponentes, de gravata e maleta na mão
Não se fará mais analogias entre sereiais e seios
nem entre animais corpulentos e os homens sedentos de sexo

Será?

A capacidade da mudança, da lei das adaptações:
Será que enfim chegamos ao limite
como uma artéria que se rompe após anos sofrendo?

Que monstro ancestral ressurgirá depois dos tempos
para nos mostrar o fim das eras, de tudo que temos vivido?
Quantos de nós morremos todos os dias para alimentar
a genética grotesca da destruição certa?

Será?

Quantos de nós, homens, mulheres, animais
seremos necessários na fusão do caos
Qual será o nome da besta que nasce
pela nossa falta de senso?

Quantos incensos serão acesos,
quantas velas derretidas rogando perdão,
quantos homens e mulheres chorarão
ao ver o que não deixava de estar em nossa face?

Será?

Que apenas o que andamos construindo por todo esse tempo
não tem apenas uma forma diferente daquilo que pensamos?
Será que toda criatura e todo o caos horrendo
têm mesmo objetivo de destruição?

Será?

Que a nossa mente fraca não pode mudar de opinião
que os nossos corações não podem aceitar o novo
e deixar de julgar aquilo que é torto,
chamando de maldição?

Será que não?

—————————————————————

As percepções deixadas pelo autor do poema sob a ótica expressiva do autor da ilustracão condiz com a subjetividade de dois mundos que se conflitaram em pensamento artístico, talvez, para que pudessem, juntos, imprimir uma terceira ótica de arte, em um campo misto criado por duas mentes criativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *