Arma verbal

Descobri muito cedo o preconceito
essa arma feita da palavra,
descobri muito cedo a dor das letras

É o meu jeito talvez, a minha maneira de andar
talvez, a forma como eu pisco, quem sabe
quem entende, a cor da pele, é possível?

Por muito tempo pensei ser eu o errado
mas é complicado ter certeza do contrário
Sou apenas um sussurro baixo
contra várias vozes vorazes indignadas por nada

É o meu trejeito, meu esteriótipo
negro, espírita, deficiênte e gay,
é, mas eu não sei ainda a fórmula mágica
para agradar caçadores e presas, às pressas…

Talvez até o gênio da lâmpada
deve ser prejudicado apenas pelos três desejos

E ainda tem homem tentando fazer milagre
apenas com a lucidez da sanidade….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.