Reencarnação

É por você que eu vim até aqui
que eu pedi e insisti incessantemente
pra sofrer assim nesse mundo
só pra te encontrar

É por você que eu cresci
e das peripécias de criança
fiz meu circo completo;
Para festejar precocemente o futuro

Eu estava bem demais
sem preocupação ou inquietude
o paraíso era como os quitutes de vovó

Mas deixei aqueles sabores divinos
quando eu soube que você estava vindo
reencarnar

Felizmente, os quitutes de vovó
continuaram do mesmo sabor daqueles de outro lado
mas por você eu abriria mão da santidade

Eu interrompi meu estudo noutro plano
e não te engano, elaborei novos sonhos
que te proponho agora em carne

Em vida terrena, nessa casca pequena
chamada corpo, que tolo, aprisionei
meu espírito tão sublime, tão infinito
para que nas limitações deste paraíso em construção
eu pudesse pegar sua mão novamente

Não fuja de mim, alma astuta, não se iluda!
Aqui ou lá, a gente não vai se separar:
Se você desceu camadas de progresso,
eu não meço também o ato leviano dos apaixonados

Porque este ser – agora humano – mudado pela carne
não importa a estação das muitas vidas,
vai desembargar na sua ilha de ego inflado
pelos pecados terrenos

E neste mundo pequeno mesmo com tamanha dificuldade
que a falta de memória pregressa nos permite
selarei o que nos une nesses novos caminhos
com a certeza de que nunca será tarde para o amor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.