A eternidade de um amor que se finda

Eu sei que você pode ser cruel, apesar de dizer que me ama,
eu sei do revés que virá se eu fugir da linha….
Eu sei que você me adora hoje intensamente,
mas também seria ingenuidade não ver a fera
que habita seus olhos quando os lábios
pronunciam singelas palavras de carinho

Eu sei que o rio que refresca e me dá água doce,
eu sei que esse mesmo rio do qual bebo tranquilo
deságua como um vício em mar tenebroso,
de águas escuras e salgadas, capaz de me levar para baixo,
para as profundezas, me matar nas correntezas e me jogar nas pedras do desprezo

Eu sei que as mãos que afagam também sabem se fechar,
eu sei muito bem que o presente que me entrega,
pode vir a ser mera lembrança de um passado bom
e aquela carta amassada que você rasgou com ira,
eu sei que um dia me trouxe belas rimas

Eu sei muito bem que a língua que me invade
que vasculha dentro de mim a verdade do amor
amanhã terá a aspereza da indelicadeza de não, infelizmente,
ter a generosidade para preservar nossa intimidade, sendo afiada,
desafiadora de minhas mágoas mais fortes, quando o que era inquestionável:

A eternidade de um amor que se finda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.