Eco literário

Na parte que me cabe perdão, perdoa, por favor,
mas me absolva pelo coração, não pela condição de setenta vezes sete…
Na parte que me cabe desculpa, desculpe,
não pelas historias que tivemos, pois nunca fomos imunes aos erros…

Mas uma palavra mal aplicada causa transtornos que nem dez mil palavras abençoadas resolvem…

Aliás, não quero que essas estrofes, em absoluto, te comovam, apenas desejo que elas ecoem para todo o sempre que eu não sou perfeito…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.