O amor das coisas

Não é por pena, nem por caridade
meu bem, eu te amo de verdade
e não aceito essa dualidade
entre o bem e o mau

Eu não admito mais esse vício ancestral
de certo e errado, luz e escuridão
Eu vim para romper qualquer juízo de valor
que já não possui valor algum

É tempo do amor das coisas
e não das coisas entre o amor e ódio
É tempo de amor ao próximo
e não de ser próximo do amor

É preciso chegar mais perto da perfeição
é hora de darmos o passo da evolução
e de acertar o caminho em vez de andarmos
sozinhos na contramão

É tempo do amor das coisas
e não das coisas do amor
É tempo do amor das coisas
e não das coisas do amor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.