Tempo de espera

Nunca é tarde mesmo para quem tarda a felicidade,
nunca é tarde, meu amor, para arrumar a sua casa,
pra nós juntármos nossas tralhas e talheres,
nossas escovas de dente e até as nossas preces,
mesmo que elas sejam diferentes

Nunca é tarde para a coragem, para a atitude,
e não seremos jamais imunes às críticas,
mesmo fazendo sempre o certo

Há sempre os inconformados, os incomodados do amor,
há sempre uma falha na receita da vida perfeita
que desanda as nossas mãos, mas eu espero.

Espero de mãos abertas, outras mãos abertas
que gostariam de se fecharem em terceiras e quartas mãos
que não as minhas duas promessas de carinho

E eu espero que as suas mãos encontrem outras mãos
tão macias quanto as minhas, que te afaguem com calor,
não apenas o corpo despedido de pudores, nem tão pouco
o seu rosto cheio de rubores loucos…

Por ter me negado por tanto tempo
que as minhas mãos se pusessem em seu rosto,
depositassem o sentimento nobre,
depois de tantos anos de espera…

Um comentário sobre “Tempo de espera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.