Ilusões do amor

E a gente achando que o amor
era essa coisa pouca que nós vivemos,
um ciúme alucinado nos adoecendo

E a gente achando que isso é amor,
fingindo uma proteção maligna,
nem um pouco digna do verdadeiro amor

E tinha gente achando que vivíamos bem,
se nem comigo me sentia feliz
como é que com você eu posso ser
tudo o que quis, depois de tanto sofrimento?

E tinha gente achando que o nosso sorriso era verdade,
quando a realidade dizia o contrário, dois corações sofridos,
muito mais que isso, o remorso e a angústia nos consumindo

E tinha gente que chamava isso de paixão,
que grande ilusão nos consumindo
era os verdadeiros sentimentos incômodos
querendo emergir para nos permitir a verdade

E a gente sufocando os nossos erros por vaidade,
nos afogando na falsa sinceridade que só diz
o que convém, o que é mais bonito de transmitir,
quando se tem apenas dois reais fatos:

Você fugindo de mim
e eu correndo de você
abraçados pelo amor
que nunca foi amor
foi ilusão que se materializou

2 comentários sobre “Ilusões do amor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.