Bruxa

Pode ser que dê certo
mas se eu disser que não quero,
que cansei de me machucar,
não há curativo que seque,
não é ferida que feche,
cansei de remendar

Não vou viver feito maltrapilha,
farelo de milho não faz pipoca,
eu gosto mesmo é de fartura,
essa falsa candura não vai me ganhar

Cansei de você,
não vou me vender,
nem ser trocada
por vale-promoção

Eu não vou pedir mais nada
cansei de música cantada,
cansei até de cobrar alguma coisa,
de baboseira estou cheia,
não vou mais buscar agulha em palheiro,
ou os uso para limpar os dentes,
ou os queimo

Sendo bem esperta,
agulha é feita de ferro,
ela vai sobreviver as chamas

E eu vou perfurar a cama
para me divertir com raiva,
fazer tipo de sanguinária
para assustar a vizinhança

Até que achem o colchão rasgado,
queimando alto todo aquele mato
que ninguém corta

Vou assustar todo mundo
bancando a louca moribunda,
com cabelo desgrenhado,
com a louca conduta de rasgar o céu
com gargalhada de bruxa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.