O quando

Vontade não me falta de ser eu,
mesmo que dê trabalho,
mesmo que meus sonhos sejam incansáveis,
vou buscá-los

Meu espaço ninguém toca,
meu olhar tranca a porta
e só eu digo: quem entra e sai

Eu não admito que me invadam,
nem mesmo o melhor e mais plausível
dos seres que eu considero de valor

Jamais alguém arromba e põe abaixo
as portas do meu interior, nem em assalto.
Não estou trancado, cadeados quebram fácil

É uma questão de respeito com o meu eu,
a unidade, o singular, a exclusividade
de ser eu vai ser preservada até quando
o quando deixar de ser advérbio de tempo

Quando o quando for o meu eu,
de vez em quando você vai entender
os meus tantos prazeres e defeitos,
mesmo os adjetivando de sujeito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.