Serviu

Da dimensão do seu sorriso,
pude sorrir contigo
quando o meu corpo,
minha mente e espírito
careciam de tudo,
principalmente, abrigo

Do mistério dos seus olhos
pude observar o que agita,
sua pupila encontra a minha,
investigativa

Da suavidade dos seus lábios,
pude tomar por certeza esse sabor,
mesmo tímido e deslocado
há necessidade da palavra

Da sua pele, não digo nada
que o tempo ainda não permitiu,
se sou assim humano,
se sou assim um fardo,
do cansaço, sua mão surgiu

Do seu afago abençoado,
inesperado e gentil
sou de todo um sortudo,
tendo a piedade da vida,
notando o quanto o outro pode ser vil

E se sirvo para você também de agrado
meu poema ainda não perdeu o significado,
de um modo ou de outro, a cada um de nós,
serviu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *