Viajante

Eu sou uma pessoa que deve agradecer à vida
por não me dar tudo quando eu peço,
por me fazer esperar, e às vezes, ser o último;
ser o primeiro a chorar, o primeiro a sofrer,
o primeiro a tentar de novo, o último a realizar

Eu devo ser generoso com as quedas
e compreensível com as feridas abertas;
Eu sou aluno da vida em repetência
que não vê nenhum demérito nisso,
consciência

Paciência para ir além, corrigindo,
aprimorando, não lamuriando perda de tempo,
experiência não se dilui com passagens

Viajo por essa vida assim mesmo,
retardatário para alguns, apressado para outros,
no tempo do meu passo, respeito a minha caminhada

A estrada não disputa comigo corrida,
sou de todo um sábio quando não jogo
comigo, com o mundo, com a disputa
sem sentido com o outro

Amadureço nessa jornada quando percebo,
nas madrugadas regadas às reflexões,
que, pelo sim ou pelo não, quem é o último,
não raro, sabe o prazer de ser o primeiro
a ver a vida mais a fundo, compreendendo
a grandeza da viagem por esse mundo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.