Interno

Quando outro homem,
apavorado, agitado,
intranquilo, eu
precisava mudar
para me permitir
o sossego daqueles que
precisam, de qualquer modo,
do silêncio que não perturba

Conturbado, sem a lucidez,
ácido, bem longe da doçura,
detectei o que me atormentava,
ataquei os males que me incomodavam,
e hoje, depois do esforço diário,
contínuo mesmo, incessante,
o alívio e a garra agora
são a coragem do tempo novo

Esse tempo novo tem sido recomeço
do amanhã, que desde então, desafia.
É um amanhã que não cobra o ontem,
que não joga na cara o quanto se deve
para a vida, que só deseja, adrenalina,
essa vida que cumpre o seu papel
e me perguntou qual o passo que eu dei
para a paz interior almejada num outro plano,
na ilusão do céu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.