Segundo olhar

Pelo seu olhar de soslaio
eu sinto um bocado de curiosa
e bem-vinda candura,
ainda que não seja a mais
doce das criaturas

Pelo seu olhar tão calmo
e tão distante ao mesmo tempo,
percebo que busca algo,
alimento

O seu relógio parece parado,
se eu não estiver errado,
isso é um raso rio, um raio
desesperado

Contratempo que não me engana,
você investiga a minha calma
de sábio

Eu entendo que a vida não pede ensaio,
e meu caro, o tempo certo a gente tem,
e digo além: Só o tempo mostra o tempo
que o tempo tem.

Não adianta vasculhar com os olhos
o que só a experiência de vida enxerga,
depois de muitos altos e baixos,
nem que se queira, o tempo não fecha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.