Poeta por confissão

Ah, Aniceto, poeta, amigo meu
que alegria, quanto amor transborda,
quanto carinho a vida me deu

Tanto poema, tanta palavra,
o tanto dito escrito, emudecido,
quanto carinho pelo amigo,
quanto respeito pelo irmão

Essa mensagem hoje é quase uma oração,
fica em paz e fique tranquilo,
não se agite, não
que a sua alma amiga,
encontrou abrigo, encontrou a mão
de outra alma amiga e poeta,
poeta por confissão

———
Para Guilherme Ferreira Aniceto, poeta e amigo federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.