Tecer

Estou assim leve,
pra que você tenha oportunidade.
Vem, me conhece, como quiser,
hoje estou pronto, e alegre.

Não precisa me enaltecer,
há ainda o que ver,
existe no que acreditar,
sei que depois de muitos tropeços…
o que cabe é desconfiar

Fia, sem freios; volta a fiar,
e cose, de novo, volta a costurar;
vai fazendo a peça, junta os pedaços;
vem tear, tatear, experimenta;

Se ajusta, volta a apertar; modela;
veste, vê se cabe; cai bem; roupa nova;
cheiro de novo; consome; paga o quanto achar que deve,
e volta a usar; procura a minha ocasião,
até desfiar; remenda; reaproveita; enquanto eu quiser,
por favor, me doar…

Aromas

Passou o tempo,
é o meu momento,
coisa nova, a aurora,
independe dessas farsas,
cansei das farpas que você colocou

Estou retirando uma a uma,
e agora já não dói mais,
a liberdade me faz sorrir,
com o livramento que a vida me cedeu

Concedeu, o tempo, um turno novo,
nessas rodadas que a vida tem
de uma hora te fazer sorrir
e noutra, o desgosto…

Seu gosto, seu cheiro, seus gracejos
não ficam mais na lembrança,
sou criança de novo que redescobriu a graça de amar

Não precisa ir embora, nem precisa ficar,
deixa a vida decidir a melhor forma
a se podar, as flores, para retirar os espinhos,
os versos meus são novos aromas pra se respirar…

Hoje eu entendi quem mora em mim,
e quem merece o frasco, fraco,
o fiasco da amostra grátis,
que perfuma um pouco, mas ninguém pede,
só passa no pulso e deixa passar…

Falta

Falta, se não chegar na hora certa,
falta, se não for ao serviço,
falta, se o dinheiro não cair na conta,
falta, se o médico remarcar a consulta

Falta, desconta na folha de ponto,
falta, um tanto para o fim do ano,
falta, um bocado para fechar o mês,
falta, uma conversa franca, forte

Falta, o espaço que você deixou em aberto,
falta, o olhar sincero que já me responde,
falta, a segurança que a sua presença me fornece

Falta, o amigo que caminhava comigo diariamente,
falta, o poema que a gente vivia dando risada,
falta, o dia a dia da piada pronta com a correia,
falta, a pausa do café, que frio, você aquecia

Falta, a nossa prece em grupo,
falta, alguém por perto que me diga:
“falta, você confiar mais em você” e,
“falta, nada não, segue em frente, vai, confia”

Falta, a simpatia que acalma o dia,
falta, o norte que você escreve,
falta, a sensibilidade da alma gentil,
falta, a falta que você nunca fez,
falta, a leitura dessa confissão,
falta, a sua presença faz, mas nunca ao coração;

Falta, acabei de fazer
falta.

Alimento para a alma

A calma de hoje
vem da passagem
da tempestade de ontem
– que revolta -, mexeu com todos os sentidos.

Das reviravoltas do tempo, que ontem me fez chorar,
dos revezes que a vida coloca, eis a sorte de sorrir de novo;.
A ferida aberta, fecha uma hora, passado tanto tempo;
uma hora, se não passar, passado será você.

Não carrega o ontem nos ombros,
não se pese com os acontecimentos,
seja livre, leve, eleve-se, entregue
o que for fora da sua competência;
a vida só te deu ciência,
não pediu pra você resolver…

Passa pra frente, deixa para o próximo,
cada um sabe o que pode fazer e como agir,
assim, é seu atributo, ser canal do mundo,
adubo de ajudas e contribuições.

A colheita, quem fizer, é o mais necessitado,
mas não sem antes preservar a terra,
cuidar da terra, semear a terra, preparar a terra,
ceder a terra, sem antes a intenção de reservar espaço,
para amar quem vai comer.