Vambora

Quem é que te privou do sonho,
que te desanimou um tanto,
quem te fez perder o brilho,
a cor, o tom, o som, a música?

Quem ou o quê, me diga, você!
Foi capaz de esvaziar seus projetos,
parar seu entusiasmo, sua alegria…

Qual sistema, qual forma de organização
desgovernou seus objetivos, quem te fez
perseguido pelo desânimo, pelo fracasso?

Quem é te desfez o direito à felicidade,
tirou o sorriso que você tinha,
tão lindo, tão cheio de vida?

Se for a conta, pague.
Se for o relógio, pare.
Se for o ódio, ame.
Se for decepção, ampare.
Se for o dinheiro, guarde.
Se for a paixão, termine.
Se for a opinião, surdo.
Se for compaixão, muda.
Se for o cansaço, fale.
Se for trabalho, serve.
Se for oração, prece.

Quem é que te deixou de cabeça baixa, ergue!
Você não sai de casa para ser plebe,
foi-se o tempo em que o humano
comprava e vendia o humano.
Se não fisicamente, agora então, menosQ

Menos entrega, menos derrota,
menos julgamento, menos portas fechada.

Sê você e se comporta
como você foi feito pra ser
e incorpora!

O poder que você tem, e jogou fora.
Não deixa ninguém te ditar a vida torta,
você sabe a reta. Pega a reta, a minha mão
e vambora!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *