Re-flexos

Aprender que o sentimento é vivo
e que deixar passar batido é natural,
essência que retém poeira não faz bem,
a alma não deve se prender ao banal

O tempo que o vento sopra,
tudo vira nada na ladeira
do verso perdido

E tudo ganha outra forma
de vida, divida, querida
outrora, imagine só
se viramos pó, não somos nada;
se acabou tudo de uma vez só, nada

E digo mais:

Se insistimos no retorno,
o bem que é bem se faz pouco,
amanhã na imensidão do tempo,
o inimigo é resquício do perigo,
hoje chamo de amigo pra me tornar uma pessoa melhor

Não se prende a alma com coisa pequena,
o cordão de prata que nos amarra à Terra
é vivo, é vida em perigo na matéria,
é luz que recebeu o ultimato das trevas,
a evolução que se espera em quimeras

E se tudo for um ato falho,
um prato raso, um copo meio cheio,
e se alma for um tanto vazia,
se tudo ficar no meio termo,
relativiza e suaviza a vida,
é um grão no pão de centeio

E a estrela não se perde no meio do breu do espaço,
onde ela se vê em escuridão por todos os lados,
não se dá conta que sozinha encaminha luz,
e nós, desse lado, visualizando o macro,
distância anos-luz, estrela solitária uma da outra,
não são poucas, constroem o divino céu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.