Habituais

Você não sabe da missa, a metade
ainda que eu cante outros cânticos,
batuque em outras tribos,
profetize em outras línguas,
dialogue em outros ritmos
você não sabe da missa, a metade

Ainda que eu cultue os índios
e justifique os anjos,
ainda que eu veja espíritos,
e movimente as energias da vida,
você não sabe da missa, a metade

Ainda que eu evoque a ancestralidade,
até chegar ao princípio da matéria
e olhe, ao mesmo tempo, para o futuro,
em novas esferas do progresso,
ah, você não sabe

Nem da missa,
nem do culto,
nem da roda,
nem da mesa,
nem das máscaras
da minha tribo,
nem das regras dos planos espirituais,
nem do oriente, nem do ocidente,
que passaram ou que virão

Você não sabe o que eu pesquiso,
o que eu conheço, o que eu sinto,
nem dos avisos dos seres evoluídos
que eu recebo pra tomar um café da manhã

É assim, a intimidade de quem acorda,
de quem convive, de quem dorme e de quem se levanta,
cercado de amigos, de todos os tempos e de todas as formas,
habitais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.