Detalhe

Para buscar o essencial
concentração, no detalhe,
no artigo, buscar o indefinido
de forma certa.

Quem acerta o mínimo, o toque mais sublime,
o fundamental, (re)conhece o coração do outro

Abre os olhos, a porta, acalma, mas, vem
aflora a alma, desperta, desabrocha,
a vida…

Afina a sua vida na minha
vida minha, essencial é tudo
o verso mudo que fala em poucas palavras,
o mundo!

Início de mim

Antes, milênios em construção,
meu espírito, novo e nobre,
ainda puro, límpido, cristalino,
mudou o tempo e o espaço;

Antes de tudo, em matéria-prima-primeira,
simples e em aprendizado, elemento-comum,
se fez a gênese da existência,
obra ainda a trabalhar, lapidar,
mudou-se para a carne, humana;

Antes do início, – emana o espírito –
a luz da vida, da consolidação do começo,
do ínicio, eu escolhi o cósmos

Solicitei, de caso pensado e de ponto certeiro,
dividir o tempo-vácuo-espaço-momento
no mesmo instante, exato, da sua experiência
divina de vida, divina, de vida, a sua;

Divida comigo o mesmo mistério
daquilo que não sei; do que sempre soube;
do antes, do ontem, do começo, do príncipio,
do tempo-espaço-momento

Contigo quero dividir a partícula do ser,
que acha que vive muitos, e muitos anos,
e não percebe, inconsciente, que participamos
da brevidade do segundo da eternidade,
que não termina aqui

Mas, começa a despontar para o além-matéria,
mas, começa a se abrir, o portal do futuro-e-passado
no momento exato da paixão, escolhida ainda no nada,
no vácuo do nada, do nada, do nada do universo;
ainda quando se preparava o elemento propício
para chamar você e eu, de nós;

Tudo começou do nó que era o projeto eu,
tudo começou do nó que era o projeto você,
nós que nunca conseguimos, a qualquer tempo, dizer não
ao outro, ao outro dessa vida, da anterior, da próxima,
agora, – e muitos antes – e muito além do início-fim;
você e eu, nós, início de mim

Revigora

Os homens de bem estão se reerguendo,
passado o momento de desalento e descrença,
pois a vida é feita de ciclos, e a Criação espera,
compreende perfeitamente o passo mais contido,
o andar mais lento, o cansaço que veio grande,
imenso, corroendo o vigor, a vontade de lutar,
de acreditar, de mudar e de vencer.

Mas, levantados, os homens de bem são poderosos,
não no sentido perverso da liderança humana,
falha, torta e torpe.

Avante, estamos todos, livres das amarras do desassossego,
livres para crer e para reviver o lado gostoso da vida,
a face da energia plena, de paz, serenidade, aliança,
compaixão.

A fase em que se troca o não,
que se toca o chão, e se ergue.
Voltemos a ter sede do progresso,
a ter sede de sucesso, a ser por completo
a força da fonte da vida

Voltemos a ser nós mesmos, mais lindos,
mais limpos, límpidos e alegres,
mais criativos, cheios de sorrisos,
bem-vindos ao aceite do reflexo,
da nossa sombra, do nosso eu de novo,
o outro lado, virada a mesa,
virada a cara, virada a carta,
a fase, vencida a febre,
de tudo aquilo que nos afeta

Aperta de novo o botão da flor!
Agora ela não murcha, não despedaça,
não padece.

Aperta de novo o botão da flor!
Ela vive, e cheira, perfuma,
encanta, colore, arruma
um jeito novo de refazer o jardim
dos versos

Poema profundo

Debata-se
Se acaso não se importa,
meu verso abriu nova porta
no sentido de ser poeta

Não é mais assim tão romântico,
como era feito eu, de esperança, num cântico
de amor, eu diria; se platônico, não sei…
A bem da verdade, dava para realizar,
se quisesse.

Mas, agora, na casa em que essa janela se encosta,
outra fresta de luz insiste em me impulsionar.
É a profissão que me cerca, a árdua labuta de quimera,
é o suor, é o salário, é a conta paga,
é o compromisso assumido e cumprido,
palavra dita e fiel, há realidade.

Meu poema, meu bem, tem outro tom,
tem outro cheiro, outro vigor,
o calor subjetivo é concreto,
o pensamento é reto, trocou tudo:
desde o membro ereto, a língua quente

Hoje é tudo simples, e plausível,
palpável, é verdade… que não divaga mais…

Ademais, o vento mudou de rumo;
o coração mudou de prumo;
a alma, mudou de rota…

Ela agora é porta entreaberta,
nem desistiu de sonhar,
nem acordou para realidade,
mas, sabe, desde então, aceitar visita real
e da plebe, não sei de qual mundo mais bebe
– se do amor ou do mundo –
em todos, porém, afoga

Porta ora fechada, ora entreaberta,
afoga-se, sim, queimando a garganta,
inundando o corpo, rasgando as ilusões,
abrindo os olhos da paixão para o cansaço
de ser do mundo de lá – das ideias –
para ser do mundo de cá – das matérias –

Debate-se o novo poema.
Mergulha-se em estrofe.
Afunda-se em cada verso.