Se necessário fosse

Se necessário fosse
pelo seu sorriso, presente;
se necessário fosse
pelo seu sorriso, um elogio singelo;
se necessário fosse
pelo seu carinho, afago de mão;
Se necessário fosse,
pelo seu descanso, a observação;

Se fosse necessário um dia feliz,
sua companhia meramente,
seu abraço cativo,
um mínimo de música,
qualquer passeio,
qualquer filme,
qualquer história,
qualquer motivação para a sua presença

Presente mais intenso,
vida mais amiga,
a poesia mais leve e bendita,
a alma mais próxima do início,
e daí se o mundo está próximo do fim?

Sua risada é recomeço,
suas piadas com sentido exclusivo,
sua fala sobre (qualquer coisa) tem mais relevância

Minha criança (?)
Eu sou criança de novo (?)
Talvez, quem sabe, outra vez,
todo mundo me confunda;
todo mundo perceba paixão,
um novo ar, um novo brilho nos olhos,
a vida em outra direção

Com a certeza, somente, de que tudo não merece explicação,
que essa situação nos deixa à mercê um do outro, vulneráveis,
abaixamos a guarda e deixamos guardados um coração no peito do outro,
confiando que no mundo há com quem se possa contar…

De muito e de pronto, sou capaz de muito mais depois de cruzar seu caminho,
nada nesse mundo vai descrever o que a gente escreve vivendo,
amores em silêncio – no singular e no plural –
cada palavra aqui tem um referencial…

Absoluta poesia

Você, minha joia rara,
minha riqueza,
cheio de encantos e de beleza,
tão doce e tão meigo,
meu amigo e companheiro

Sendo simples e mágico no caminho,
é meu vício o seu jeitinho,
um menino tão puro,
um homem tão complexo

Te amo o dia inteiro,
mesmo com todos os seus medos,
contigo encontro coragem,
seu carinho é uma necessidade

Para um minuto de paz a mais,
seu cheiro me cativa.
É o corpo que alegra,
o sorriso que supera
– qualquer dor ação de ser –

Eu não consigo mais…
meu sorriso é mais eficaz,
minha alma desperta,
meu corpo reage,
minha pele arrepia,
tendo você na minha vida
Tudo
em absoluta poesia

Matéria-prima rara

Raras poesias que vem e vão,*
mas, você não.
Você não volta
porque sempre fica
é obra-prima,
essência,
a arte primeira

Um verso apenas você me deu,
e verso sou eu seu,
uma estrofe inteira
da sua vida, meu poema de amor

Verbo, origem do mundo.

Poesia, substância
da minha criança
que encontra a sua criança.

Duas almas lindas
procurando na rima
uma forma mínima de se reencontrar


*Com Iago Reis

Há tempos

Para Tais Freitas, atualmente Diretora da Escola de Formação e Desenvolvimento de Pessoas/Reitoria do Instituto Federal Fluminense, pela excelente profissional, de tantas qualidades, e amiga. 

Há tempos que o poeta tem observado
a sua ação, e hoje, nas horas finais do dia,
render homenagens é obrigação

Aprendi, desde que reconheci o meu ofício
ter, por oficio de trabalho, a observação.
Nesse tempo de convivência,
– perdoe-me a incongruência da cronologia exata -,
tomei nota das incertezas da chegada,
da voz trêmula das primeiras convocações

Tomei nota das iniciativas inseguras,
das indagações prematuras, da dúvida
constante, da constância da ternura,
dos posicionamentos equivocados,
da postura pura, simples e ingênua,
de quem se via pequena
tentando acertar

Vi a armadura ser trocada várias vezes,
vi aceites corajosos e a audácia
de quem aprende aceitando de presente
aquilo que não se sabia se poderia ofertar

Presenciei dias de tormenta, e percebi
com o olhar apurado de poeta –
noites de sono nem sempre dormidas

Constatei dores de renúncia,
daquela que queria tomar conta de tudo,
sendo simplesmente uma só.

A mãe tão presente dividir o presente
com o árduo trabalho.
A profissional competente reconhecendo limites,
não desapontando os amigos por consideração.
A esposa, tão cuidadosa, indo além do que as forças permitiam.
A filha que sempre atende as ligações.

Presenciei a professora de outra época
tentando aprender os rumos não-numéricos,
e descobri, que para ser o que se quer,
às vezes, é preciso ser multitarefa.

Pelo olhar da convivência,
vi as dúvidas ganharem direção,
vi a anfitriã se percebendo,
a diplomacia ganhar dimensão.

Tomei nota, em muitas reuniões,
dos olhos atentos e dos ouvidos abertos,
ensinando e aprendendo,
que falar no tempo certo,
e ouvir na hora certa
é talento lapidado

Vi, até muito recentemente,
o cansaço bater na porta
de quem tanto faz e faz,
– mais e melhor -,
achando que ainda não é suficiente

Eu vi tantas em uma só
que até achei que não fosse sempre.
Aí eu descobri o melhor:
Que a vida nos dá de presente
a capacidade de ser diferente,
de transpor os limites da mente.

Eu vi tantas em uma só
que eu preciso deixar ciente:
A acolhida foi tão compreensiva,
que o poeta ganhou amiga
pra seguir em frente.