Se necessário fosse

Se necessário fosse
pelo seu sorriso, presente;
se necessário fosse
pelo seu sorriso, um elogio singelo;
se necessário fosse
pelo seu carinho, afago de mão;
Se necessário fosse,
pelo seu descanso, a observação;

Se fosse necessário um dia feliz,
sua companhia meramente,
seu abraço cativo,
um mínimo de música,
qualquer passeio,
qualquer filme,
qualquer história,
qualquer motivação para a sua presença

Presente mais intenso,
vida mais amiga,
a poesia mais leve e bendita,
a alma mais próxima do início,
e daí se o mundo está próximo do fim?

Sua risada é recomeço,
suas piadas com sentido exclusivo,
sua fala sobre (qualquer coisa) tem mais relevância

Minha criança (?)
Eu sou criança de novo (?)
Talvez, quem sabe, outra vez,
todo mundo me confunda;
todo mundo perceba paixão,
um novo ar, um novo brilho nos olhos,
a vida em outra direção

Com a certeza, somente, de que tudo não merece explicação,
que essa situação nos deixa à mercê um do outro, vulneráveis,
abaixamos a guarda e deixamos guardados um coração no peito do outro,
confiando que no mundo há com quem se possa contar…

De muito e de pronto, sou capaz de muito mais depois de cruzar seu caminho,
nada nesse mundo vai descrever o que a gente escreve vivendo,
amores em silêncio – no singular e no plural –
cada palavra aqui tem um referencial…

Absoluta poesia

Você, minha joia rara,
minha riqueza,
cheio de encantos e de beleza,
tão doce e tão meigo,
meu amigo e companheiro

Sendo simples e mágico no caminho,
é meu vício o seu jeitinho,
um menino tão puro,
um homem tão complexo

Te amo o dia inteiro,
mesmo com todos os seus medos,
contigo encontro coragem,
seu carinho é uma necessidade

Para um minuto de paz a mais,
seu cheiro me cativa.
É o corpo que alegra,
o sorriso que supera
– qualquer dor ação de ser –

Eu não consigo mais…
meu sorriso é mais eficaz,
minha alma desperta,
meu corpo reage,
minha pele arrepia,
tendo você na minha vida
Tudo
em absoluta poesia

Matéria-prima rara

Raras poesias que vem e vão,*
mas, você não.
Você não volta
porque sempre fica
é obra-prima,
essência,
a arte primeira

Um verso apenas você me deu,
e verso sou eu seu,
uma estrofe inteira
da sua vida, meu poema de amor

Verbo, origem do mundo.

Poesia, substância
da minha criança
que encontra a sua criança.

Duas almas lindas
procurando na rima
uma forma mínima de se reencontrar


*Com Iago Reis

Não tenho medo

Não tenho medo do toque suave de sua pele sobre a minha,
não tenho medo dos seus segredos de nostalgia, descoberta linda
não tenho medo do seu passado, que eu não conhecia
não tenho medo de compor o todo seu, entendendo muito mais do que eu gostaria
não tenho medo dos seus olhos fugitivos, nem da sua boca aflita

Não tenho medo, em absoluto
do que queira me dizer,
bem mais do que queira demonstrar
não tenho medo das estrelinhas que me causa,
nem das entrelinhas que não se desvenda em prosa

Não tenho medo das certezas dos sentimentos,
não tenho medo, não,
das suas convicções vazias

Não tenho medo da imediata dúvida,
não tenho medo de casos passados,
não tenho medo dos passos presentes,
não tenho medo de construir o futuro

Não tenho medo de olhares profundos,
não tenho medo do que as lágrimas querem dizer,
não tenho medo da voz embargada, nem dos minutos de silêncio

Não tenho medo de energias pesadas, nem de descobrir o bendito tempo
não tenho medo de esperar o momento, nem de deixar que ele se mostre
não tenho medo de ser sorte, confidente
não tenho medo da gente
e só, não temo

Não tenho medo do termo perfeito,
eu tremo inteiro de desejo,
não tenho medo…