Ao meu tempo

Tem tempo que o tempo não me visita mais,
que a poesia não me visita mais,
que a inspiração não me visita mais

Tempo que eu não me dedico ao verso,
e, se verso, é para passar ao tempo
que eu tenho tempo pra receber qualquer afago

Afeto, ao tempo eu pedi,
e veio você, em tempo, pra me fazer refletir…
reflexo de tanto tempo sem o uso das palavras,
meu poema emudecido ficou de boca fechada
por não ter nada a dizer

Até que, mesmo assim, a vida, dona de tudo,
do tempo, inclusive, disse-me: Venha por aqui.
Há tudo no seu tempo, e eu te apresento,
o tempo de sorrir

Seu nome, eu prefiro guardar no tempo,
e com o tempo, te descobrir.
Pudera eu ter tempo, e com mais tempo,
não te deixar partir,
sigo em silêncio, dizendo tanto
que ao seu encontro, não me deixe mentir.

Tente, por todo tempo do mundo,
revelar quantos tempos eu escrevi
pra me aproveitar justamente – do tempo –
pra te dizer que eu te quero aqui.

Vácuo

No vácuo do tempo
tudo é um estado parado
que não verso mais,
nem de frente se encara

É um movimento solto no tempo-espaço,
é opaco, e sem rumo, o vazio do tempo,
um nada, um vão, é mar seco, e praia sem vento

É o vácuo do sentido literal,
da palavra que não vê fundamento,
é o eco do ethos humano,
a brecha do discurso,
da legislação e do momento

No vácuo do tempo,
sentimento confuso,
não sente nada

É uma faca de dois gumes não afiada,
é a certeza na dúvida, o marasmo,
um fantasma, é a falta de sorte,
é o contínuo não-fim da estrada

O vácuo do tempo é o horizonte no avesso
que se vê de longe, mas, não se sabe o preço.
É a chegada que a gente temia,
o não saber se chegaria… que, de fato, se concretiza
– quando se chega, e não se chega onde –

É o vazio da caneta,
o nada do homem
que nem homem sabe se é

O ego que se diluiu,
o desconforto da falta de fé,
é o vento que ganha espaço,
o nada é o combustível do pé, o nitro
Do avião quebrando a barreira do som,
e o seu som que não me chega ao ouvido.

É o vácuo do tempo,
das embalagens fechadas,
é o nada que quando aberto,
explode na cara

É o termo não descoberto,
o vácuo do significado,
é o sem nexo do movimento,
passo em falso na escada

Perder tudo que não se teve,
o verbo não rasgado, o vácuo do mundo
é o sentido ter mudado, sem rumo

É o amigo que brinca e não toca na mão,
é a sua mão que não segura mais a minha,
o princípio da contradição

O pior dos vácuos da vida,
não é o vacilo que se fez ocupar,
não é o silêncio que fala muito,
é aquele que eu não consigo mais amar…

Tempo de…

O pós-moderno,
o tão careta,
tão sem nexo,
tinta na caneta

Bauman com o líquido…
o século XXI tão esperado,
frágil, raso, falho…

Teoria do centro do ego,
desejo que ganhou potência de ato
para deixar sentimentos, certezas,
beleza, relações tão firmes, hoje…
incapazes de se sustentar

Não dá pra deixar pra lá,
que passe batido…
acidente de percurso
que a alma sofreu

Labirinto de sensações, o talvez;
ganhou poderes tão fantásticos, a dúvida;
tem contornos tão fortes, a água;
Tudo escorre entre os dedos,
os laços não existem mais, tão frouxos…

Saudade dos amores rígidos,
eu… falo, que erguido, tinha direção,
hoje não…

Tempo de reticências, do afeto afetado,
das paixões de ontem tão loucas, tão cegas, e fortes,
tão certas, com objetivos e metas, e com sorte, com tempo;
hoje, mero estalo.

O rio de Heráclito no pós-homem da pós-verdade,
afoga todos nós em amores líquidos evaporados…

Lego engano

Eu não quero ter as coisas que você passou a ser
um número na agenda que não me liga,
uma mensagem eletrônica que não me chega,
uma mensagem de voz que não aparece no alerta

É certa essa minha decisão de não ser mais
plateia para o seu espetáculo itinerante
que vem, e some quando bem entende
cansei de lhe dizer que sou gente,
mereço tratamento vip

Eu não quero ter mais as coisas que você passou a ser,
um livro, um filme, relógio, impróprio para a alma,
um ser humano que pede calma, pede tempo
eu não perco mais tempo com panos simples,
camisa, cueca  que você pediu,
papel que você escreveu,
poema que se arriscou a fazer

Risquei tudo, rasguei, não troco mais likes
é parte do meu livre arbítrio que cometeu suicídio
e queria se trancafiar nas gaiolas de um perverso amor

Seus desenhos já não me emocionam mais,
músicas já voltaram ao seu significado de origem,
não agridem mais meu coração de saudade

Reiniciei os meus pedaços, tão quebradiços, você diria;
que ironia, tenho que dar risada, meu coração não é nada disso,
não é como antigos quebra-cabeças, não tem mais problema,
meu sentimento é rima em tantos versos,
meus sentimentos foram renovados….

Agora são legos, legos que as crianças brincam e se divertem
eu me reparto, encaixo, monto e me desmonto, e hoje…
minhas peças voltam à caixa
porque eu renego, tudo e por completo
caixinha de egos, leigos, ecos, legos.