Vácuo

No vácuo do tempo
tudo é um estado parado
que não verso mais,
nem de frente se encara

É um movimento solto no tempo-espaço,
é opaco, e sem rumo, o vazio do tempo,
um nada, um vão, é mar seco, e praia sem vento

É o vácuo do sentido literal,
da palavra que não vê fundamento,
é o eco do ethos humano,
a brecha do discurso,
da legislação e do momento

No vácuo do tempo,
sentimento confuso,
não sente nada

É uma faca de dois gumes não afiada,
é a certeza na dúvida, o marasmo,
um fantasma, é a falta de sorte,
é o contínuo não-fim da estrada

O vácuo do tempo é o horizonte no avesso
que se vê de longe, mas, não se sabe o preço.
É a chegada que a gente temia,
o não saber se chegaria… que, de fato, se concretiza
– quando se chega, e não se chega onde –

É o vazio da caneta,
o nada do homem
que nem homem sabe se é

O ego que se diluiu,
o desconforto da falta de fé,
é o vento que ganha espaço,
o nada é o combustível do pé, o nitro
Do avião quebrando a barreira do som,
e o seu som que não me chega ao ouvido.

É o vácuo do tempo,
das embalagens fechadas,
é o nada que quando aberto,
explode na cara

É o termo não descoberto,
o vácuo do significado,
é o sem nexo do movimento,
passo em falso na escada

Perder tudo que não se teve,
o verbo não rasgado, o vácuo do mundo
é o sentido ter mudado, sem rumo

É o amigo que brinca e não toca na mão,
é a sua mão que não segura mais a minha,
o princípio da contradição

O pior dos vácuos da vida,
não é o vacilo que se fez ocupar,
não é o silêncio que fala muito,
é aquele que eu não consigo mais amar…

De já, vi

Eu tropecei dentro de mim
e caí por cima dos meus egos
sim, são múltiplos
para cada grupo.

Contudo, todos reconhecem
um mesmo eu

Incrédulo, cético,
sério, vivo,
aqueles olhos fundos
que você não tem coragem de encarar

São visões de mundo, a de todos vocês,
que já não sabem por onde olham,
e eu digo: por aqui

Porque caí dentro de mim,
mergulhei em queda livre!

Pode passar um filme na sua mente

A lua não mente no céu,
está lá forte e decidida
– para alguns recaída –
minha amiga

Dentro de mim
descobri
que consigo me ter,
consigo me ver para além,
também para fora

Sei lidar com a minha presença,
não pedi ausência, sorrio.
E me contento, contemplo
o mundo a minha volta,
e sorrio (em paz)

Minha vida não me incomoda
vi meus fantasmas e está tudo bem.
Eles me ajudam a psicografar
aquilo que eu acho que vem do lado de lá
na verdade, eu já vivi, sou o mesmo eu
déja vu

O ontem da vida passada,
repassada nessa vida,
parece futuro

E quando eu vejo o futuro de outrora
eu agradeço, já conheço minha história.

Paciente

É o poema o remédio da alma,
na expressão da arte da dose certa,
que alivia em prece reta
entre a vida e a experiência do poeta

São ampolas do tempo que se maneja,
e se manipula a palavra que escorre na veia,
são as correntes de energia capazes, sempre,
de aquecer o corpo e animar a alma

O poema pede calma, cama e repouso;
pede reflexão, paixão, mas repouso;
pede cuidado, pede zelo, mas repouso;
e por pouco, de pouso em pouso,
vai cicatrizando o que era sofrido

E no rito não atesta alta alguma,
nem permite afastamento algum,
mesmo em dias comuns, incubadora das letras,
vai recolocando na alma que escreve e que lê,
o parto e o renascer de um novo
paciente.

Estado de graça

A vida que você leva
é leve ou te leva?

É preciso ter prazer quando se vive
seja no trabalho, em casa, na roda de amigos,
viver bem ajuda a encarar os desafios da matéria

E em matéria de desafios fortes,
viver é uma gama de sortes e sortes
quando você se sabe forte e leve

Quando se aceita o caminho que se escolhe,
a gente anda com mais segurança no desconhecido.
Tem sempre a surpresa do caminho a ser vivido,
mas, não cabe pavor ou angústia quando a gente entra na sombra,
no breu da escolha que vai se rompendo nos passos

Viver bem, ainda que nem sempre otimista,
quando a gente entende o motivo da partida,
ajuda a ser luz, mesmo sem ser espiritualista

Quantos são aqueles que mesmo na descrença do divino
sabem, não raras as vezes, honrar as oportunidades da vida?
Valorizam o que têm em vez de ambicionar um pouco mais,
e se caem, não desistem, podem até não tentar de novo;
buscam outra meta mais ajustada ao que podem fazer.

O que fazer quando não se sabe o que fazer?

Parar o passo, agradecer o discernimento,
o pensamento e a reflexão, a primeira atitude da razão.
Se é que a vida não anda nada bem, se está valendo pouca coisa,
não é essa a sua trajetória, volta e se refaz.

Encontre-se e tome para si um outro rumo,
crie o mundo! você é parte dele, não assiste!
Se auto-admite! Ser vivo, vive! Até chegar onde?
No seu estado de graça.