Óculos ímpares

Deixo os pares de óculos sobre a mesa
tenho outras visões.
De qualquer maneira, não se enxerga
o que é preciso ver
diante das lentes não mais tão grossas do ser

A minha alma, grosseira, refina constante;
é outra dimensão que se vislumbra
ainda que em matéria miúda

Alguns pontos agora são claros,
tendo foco e preciso:
não turva e nem embaça

A vida é graça de olhos fechados,
não vendo o mundo…
não vendo o mundo;
nem me compare, nem me compre

Desvendo o horizonte
sabendo do passado

Calmo, a claridade não me incomoda.
Debaixo de tudo, tudo que se crê demais
é fácil, fato, falso

É mentira que se fez acreditar
e da qual não topo rever, por comodidade;
mas, é a idade que chega – peneira da ignorância

A paciência faz criança nascer
faz o homem viver bem
e o velho morrer em paz

Não preciso mais
de óculos pra ver
o cristalino estado de
óculos sobre a mesa

Missionário

Em vida, sua missão, querida alma amiga
é, dada a sua mente esclarecida,
encaminhar os outros para o progresso
é o mais perto que se chega da luz

Da prece ao nome de Jesus,
conduz pra frente, vai adiante
ajuda o próximo, e próximo
enfrente tudo junto, vislumbre
novos ares, novas metas,
para além dos vales
que o progresso inverso remete

Encaminha, alma amiga e lúcida,
sua companhia sabe bem o que fazer,
a presença do seu ser é bravata,
também desbrava caminhos fechados,
é achado na vida dos outros

Entrega o que pode, avança no que der,
pega pela mão quem te procura, e não segura,
libera todos para que outros se aproximem
e não se liberte dessa missão

Tem a função de dar passagem
é passe que os outros precisam
um passo que só você pode ajudar
deixa correr, que você vai ver
a vida te dar outros horizontes
pra ver, sem te limitar

Aparte

Para Iago Reis
————————-

Fico feliz quando você me toca o corpo,
me abraça, e me beija na face,
e me faz de transbordo dos sentimentos
pelos quais não se sabe
(se existiam ainda dentro de mim)

Fico feliz quando me fala dos seus gostos,
e quando contempla, a tarde,
e eu me finjo de bobo
pra não falar da missa-metade

É tudo ainda muito novo,
ouvir a sua voz doce e suave,
ter a sua companhia simples,
seus sorrisos, sem vaidades

Não necessito visitar a utopia,
ainda não é tarde para acreditar na poesia
que vive em mim, ainda, escondida, em parte.

Você com simplicidade costura tudo,
o mundo, pelo qual eu não vejo mais encanto,
cala bem antes do começo, o meu pranto,
meu desencanto, minha enfermidade

Da alma, do espírito, da carne,
você revigora, cicatriza, energiza,
cumplicidade

Um estado de paz, de poucas palavras,
de meios gestos, de observações,
você me devolveu a capacidade…

De escrever de novo, vivo e belo,
com sentido, sentimento e serenidade
o poema-humanidade

Sonho alto e lindo, novamente,
a realidade…
de ser pleno, acima de tudo,
quando te observo, à parte

Detalhe

Para buscar o essencial
concentração, no detalhe,
no artigo, buscar o indefinido
de forma certa.

Quem acerta o mínimo, o toque mais sublime,
o fundamental, (re)conhece o coração do outro

Abre os olhos, a porta, acalma, mas, vem
aflora a alma, desperta, desabrocha,
a vida…

Afina a sua vida na minha
vida minha, essencial é tudo
o verso mudo que fala em poucas palavras,
o mundo!