Incompletudes imprecisas

Eis que sinto ausências
passadas a limpo
presentes no limbo da memória

Eis que sinto desconfortos d’alma
que a mente ainda não decifra,
sequer investiga, nem busca respostas

Eis que esse estado confunde,
ilude e decepciona sentidos,
sentimentos, semi-círculos de vivências,

Incompletudes guardadas em versos imprecisos

Necessários
Deslocados em estrofes

Eis que sinto vazios não percebidos
lacunas do tempo do eu que não sofre
sem fundamento, e sem angústias

Contemplação das incongruências
de existências não lineares

Novo amanhecer

Esse poema é um agradecimento à vida
que me permitiu um amigo tão distante
ser perto

Esse poema é dedicado a todas as horas
que você divide comigo, mesmo brincando
são momentos da existência que não voltam mais
– nem seus, nem meus –
e nós escolhemos viver juntos

E nos divertimos juntos, rindo sempre
com a certeza e de peito aberto
de que merecemos momentos de alegria

Jonh Garcia, esse poema não retrata as fases da sua vida,
não pretende te encher de nostalgia, nem curar sofrimentos passados;
Esse poema fala que o presente se faz abençoado quando a gente se permite
ser levado a sério na nossa real maneira de ser, de ser lindo, sendo eu, sendo você

Esse poema fala que vale a pena tudo que a vida nos deixa de lição,
e por que não ser feliz sem condição?
Esse poema fala que no mundo tem gente para tudo,
inclusive, mãos que acolhem, compreensão que vem distante,
companhia que mora longe, mas, te quer bem

Esse poema fala da sorte de quem te escreve,
porque sabe te ver forte mesmo quando você não se vê
Esse poema conta uma história que nem você é capaz de conhecer

Ah, claro, esse poema é pra você
porque coloca em versos não só elogios, nem só maneiras de te enaltecer
Esse poema fala do seu futuro
fala de um homem puro que você ainda vai aprender a ver

Esse poema fala tanta coisa que ainda não pode ser dita,
mas, sobretudo, esse poema é alegria que irradia vinda de você
Esse poema, sem forma e sem métrica acerta porque a vida é autêntica
para um novo amanhecer

Fica à vontade

Fica à vontade pra ser o que você é
mesmo que ainda não saiba quem você é.
Eu gosto de descobrir junto com você
o caminho que você está seguindo
mesmo que ali na frente você volte

Fica à vontade pra pensar em voz alta,
fica à vontade pra falar em voz baixa,
fica à vontade pra manifestar a sua dúvida
fica à vontade

Eu vou interagir, não criticar (às vezes, sim)
eu vou participar da construção do seu eu
se você me der essa liberdade

Não tenho olhar terapêutico, nem clínico;
retirei dos meus olhos o vício de ver maldade.
Temos um acordo não dito de reciprocidade
pra você se sentir à vontade, e sentir o que quiser,
e poder chorar, se quiser, e rir também feito louco

Aos poucos, a gente se entende, e se entende que a gente é gente,
e muda o tempo todo, e testa novos jeitos de ser, e sonha e se frusta
de novo, de novo e de novo, sabendo ser mil de nós;
amparados pela mão que não julga, pelo olhar que compreende…
há diferentes formas de existir e de ver o mundo

Eu quero conhecer outros mundos, outros lados,
outros fatos, outras curvas, outras práticas ocultas
que só você sabe que sabe de você mesmo

Descobre comigo, numa companhia madura,
de quem tem a paz de espírito necessária
para ser de toda e qualquer ajuda

Encontro de empatia

(Para Nathália Sepúlveda)

Seu poema está sendo gestado
em tempo impreciso, revisitado;
em que se fez o imprevisto, revisado;
as nossas sintonias se afinaram

Nosso encontro de empatia
queria dizer das trajetórias maculadas,
das solidões d’almas machucadas
não lidas, não traduzidas, nem nada

Agruras da vida, querida
os homens não são normais

Seu passado, meu passado
separados,
tiveram motivos diferentes
para chegarem onde estão

Seu poema lapidado alterna versos,
troca estrofes, compõe-se ouvindo músicas,
busca significados refinados, vai fundo;
se faz inspiração

É o trabalho de ourives da palavra
na vida que as vezes parece incapaz
de compreensão das nossas dores mais profundas

Nossos caminhos chegaram até aqui:
diante de mim, cética, reflexo da razão,
a paixão muitas vezes vale nada, realmente

A mulher que ama muito mais que os homens
sente que a poesia não engana, não mente, nem convence;
o poema pra quem sabe ler não tolera ser simples

Os homens não sentem mais;
são todos românticos falíveis;
todas as nossas expectativas infrutíferas
criaram raízes de experiências

Todas as leituras mal interpretadas de nós
são releituras da realidade de outro alguém,
às vezes, de nós mesmos, passados sobrepostos

Porque não dizer: valeu a pena
o poema não busca a poesia,
mas, a inspiração

As agruras que nos moveram
confundem-se em contramão;
seu olhar encontra o meu
(des)vendo tudo