Horas depois você aparece

Horas depois você aparece
com um copo na mão como quem não quer nada,
cansada da vida do nada do nada do nada
que tem feito agora

Disse que mora na calçada do tédio
da vida estável e estagnada

Difícil pra mim decifrar o que isso quer conter

Talvez suas horas de análise não tenham chegado a conclusão alguma,
não que fosse necessário, eu sei
Mas, um fio condutor sempre se espera
nessa mania da existência linear

Há verdades perdidas na pia, na louça suja,
uns planos mal elaborados perdidos nas roupas,
um caos qualquer nas contas vencidas
e vitórias não vistas depois de um dia de chuva

É um amor que se desloca no vazio
do não-amor vivido no tempo querido,
e desse presente, no hoje, já não faz sentido
senão fotos velhas guardadas na memória,
senão sorrisos transmitidos errados,
senão o tempo consumido,
senão uma foto guardada no verso,
senão um amor lavado ao vivo

Poucas roupas cobrem a alma,
poucos presentes traduzidos,
poucas as frases sobrevivem ao ouvido,
poucos sentimentos permanecem vivos

Senão fragmentos de ideias perdidas,
senão reflexões interrompidas,
senão há alma guardada no corpo
senão há vida sobrevivida.

Horas depois você aparece
em outros dias, semanas ou meses
horas depois você aparece
anos depois, contam-se décadas
você aparece em desmazelo
no resquício de uma memória,
depois de anos, em meu outro leito.

(T)EU

(T)EU
sem meios termos,
sendo bem terno,
não temo, os erros,
nem tremo de êxtase aos acertos tolos,
toldos da vaidade

(T)EU
tarde da noite,
tento, acima de tudo,
ter o que se espera de um poeta a todo momento,
– tempo sublime –
tido por mim como
terço de poesia

(T)EU,
todavia, espero que não
troquem os meus versos sinceros por
três ou quatro interpretações sem sentido,
tentativas infelizes de me decifrar

(T)EU,
Terminei os rascunhos da minha vida enquanto
trocavam-se em meus olhos, lágrimas,
tocavam em meus sentimentos com farpas que a música
não traduz mais

(T)EU,
Transcrevi para outro papel a minha decisão de viver bem,
transcendi como ninguém o sofrimento da matéria para jogar, à vera, e
transfigurar para primavera, todas as estações do ano

Muito há dizer

Ainda não há muito o que dizer
além do seu sorriso fácil
do seu humor solto,
de tantas curiosidades
dos meus beijos de pescoço

Ainda não há muito que dizer
além do seu corpo esguio,
além dos ritmos do seu corpo,
e do seu carinho

Não há nada a declarar
sobre as nossas trocas de olhares
dos paladares que eu vigio e cuido

Nada há a acrescentar
além da minha falta de ar,
enquanto de desnudo

E é humano te bem-dizer,
ter segundos com você
antes de começar o dia

Deveria ser regra,
mas eu não vou seguir,
não vou detalhar nada mais além
dos seus cabelos enrolados
e o fato de seus abraços,

e seu colo – postergarem a ida,
prorrogam a rima,
nem dá vontade de fechar estrofe

Eis que a vida quis,
eu e você. feliz
em rumos diferentes

Fugindo pela esquerda,
correndo à direita,
a poesia nos colocou frente a frente,
finalmente.

Falando pouco,
dizendo muito,

inconsistente ao mundo –
coerente se faz
o nosso silêncio

Se necessário fosse

Se necessário fosse
pelo seu sorriso, presente;
se necessário fosse
pelo seu sorriso, um elogio singelo;
se necessário fosse
pelo seu carinho, afago de mão;
Se necessário fosse,
pelo seu descanso, a observação;

Se fosse necessário um dia feliz,
sua companhia meramente,
seu abraço cativo,
um mínimo de música,
qualquer passeio,
qualquer filme,
qualquer história,
qualquer motivação para a sua presença

Presente mais intenso,
vida mais amiga,
a poesia mais leve e bendita,
a alma mais próxima do início,
e daí se o mundo está próximo do fim?

Sua risada é recomeço,
suas piadas com sentido exclusivo,
sua fala sobre (qualquer coisa) tem mais relevância

Minha criança (?)
Eu sou criança de novo (?)
Talvez, quem sabe, outra vez,
todo mundo me confunda;
todo mundo perceba paixão,
um novo ar, um novo brilho nos olhos,
a vida em outra direção

Com a certeza, somente, de que tudo não merece explicação,
que essa situação nos deixa à mercê um do outro, vulneráveis,
abaixamos a guarda e deixamos guardados um coração no peito do outro,
confiando que no mundo há com quem se possa contar…

De muito e de pronto, sou capaz de muito mais depois de cruzar seu caminho,
nada nesse mundo vai descrever o que a gente escreve vivendo,
amores em silêncio – no singular e no plural –
cada palavra aqui tem um referencial…