Descanso à beira-mar

Se eu estou quieto e você não ouviu minha voz hoje,
não é que haja algo errado, só não quero incomodar.
Sei que quando falo demais você se chateia,
nem adianta negar, sinto subir a veia do seu pescoço.

Vou ficar no canto, mudo, sem dizer nada…
Quando você estiver mais calma e disposta,
eu abro a boca e te falo coisas boas,
aquelas coisas boas que você gosta que eu diga…

Não vou incomodar, sei que você tem muito a fazer,
mas quando terminar, avisa,
porque vai ser boa nossa noite fria.

Pensei que fosse demorar mais pra acabar,
mais hoje você foi rápida…
Talvez, não sei, pela minha promessa
de descanso, de um luau à beira da praia.

Um luau na noite gélida, mas você nem vai notar
porque estarei lá a te tapar com abraços quentes,
enquanto a onda vem e vai a respingar nos nossos
corpos cada vez mais ferventes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.