Entre vindas e idas, um vício

Você vem e entra no meu coração sem permissão
e sai quando bem entende deixando as portas abertas
para o próximo entrar.

E de repente você volta, mora aqui por um tempo,
brinca com os meus sentimentos e parte.
Mas saiba que de você não esqueci,
que entre idas e vindas eu resisti.

Hoje você tentou entrar mas a fortaleza não abriu,
pensou que me tinha ali, na palma da sua mão,
se enganou, eu fugi.

Deu de cara na porta fechada
meia-volta fez, tive que rir
crente que tinha me dominado,
mas te lacei pra mim.

Fiz da suas vindas e idas um vicio,
tanto que voltava ao rodízio,
mas dessa vez eu que controlo,
sou eu quem digo quando pode brincar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.