A mulher que passa

Quando você passa
a graça é te olhar
seu molejo, seu andar

Quando você passa
e deixa aquele cheiro
não tem outro jeito
senão te paquerar

Porque me seguro
e me controlo
pra não te agarrar

Quando você passa
não tenho outro lugar pra observar
só vejo suas curvas, seu jeito de seduzir

Sua piscada maldosa
faz meu corpo vibrar
e nesse transe fico sem resposta
pra te dar

Mas enquanto você some no horizonte
cada segundo valorizo
indiscretamente me entrego ao vício
de te examinar

O seu colo volumoso
seu jeito provocante
andar firme
em cima do salto afirma
que eu não posso te alcançar

E enquanto você passa
só me resta assobiar

Quem sabe você volta
e na pequena agressão
pela sua revolta
eu possa sentir
a delicadeza da sua pele
que eu queria encostar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.