Pedaços do caminho

Quando lentamente fecho os olhos e suspiro é o seu nome que me foje de dentro
e quando paro para ler nossas cartas, pedaços da nossa história encantada
finjo que fico admirada com as suas palavras, mas eu não ficava

Era fácil igonorá-lo e tê-lo de volta quando precisasse
eu sei que foi maldade, idas e vindas, tentar o seu coração
abria-lhe uma ferida e a curava pouco tempo depois

Eram curativos simples, não muito cuidadosos
e hoje o meu remorso foi não tê-lo tratado direito
porque toda vez que eu lhe feria, eu me ardia sem saber

Mas quando voltávamos e retornávamos ao desejo
eu tentava esquecer os sofrimentos propositais que lhe causei
achando que fosse ágil o fechamento da dor de um ser

Mas todas aquelas apunhaladas foram feitas com profundidade
eu sei que foi maldade, já não dá pra sanar,
é impossivel colar seu coração agora
há muitos pedaços faltando
que por falta de carinho foram se perdendo
pelo caminho eu fui pisoteando…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.