Portas fechadas

Só um carinho, um dengo, um cheiro, um chamego
só um beijo que cesse meu desespero
só um frescor que sossegue meu pavor
de estar só em meu leito

Só uma mão doce e suave
que faça livre a minha carne
que liberte o meu pesadelo
e me dê segurança de qualquer jeito…

Uma canção, um cafuné, um colo de mãe
que me deixe ser o que sou, na verdade o que sempre,
sempre quis ser e não me permiti….

Uma palavra, um silencio
um doçura delicada
que em noites amendrontadas
deixe-me tranquilo em plenitude de me aceitar

Com meus fracassos e minhas derrotas
mesmo que muitas portas se fechem
ainda que eu rogue em prece
tive boas intenções sempre, senhor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.