A última estrofe

Você que não virou a página,
rasgou por completo nossa história,
agora o amor não mais transborda,
a água que flui coloca pra fora,
jorra o que estava aqui dentro

Definitivamente, enquanto tivesse chance,
a crença no amor era a última esperança,
mas a pomba branca da paz voou alto,
bateu asas, foi para longe

Essa história que acaba
no último verso tem seu ponto,
na última estrofe começa outro ponto

Reticência de uma vida que não para,
mesmo quando o coração constata com demora
que já é hora de parar de bater por você ,
vai pulsar muito mais por mim, e pela vida plena

Sem amarras que há tanto tempo eu me prendi,
eu fujo hoje dessas correntes, não vou me limitar mais
a amar o que de fato não dá pra sustentar

Eu me liberto nessa última estrofe de você
para saber compor outra história, outro eu,
esse eu que não viveu com você a toa, é verdade,
mas sou um sujeito que não nasceu com você,
e não aceita maldades disfarçadas de amor, ex-amor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.