Um encontro com o mar

Sentado na areia
na orla da praia
nem uma gaivota ensaia
uma passada nas nuvens

Sentado na areia
nos grãos macios
a areia impregna
o meu vício de olhar
as ondas

Mas o mar anda tão
sem graça, não bebe
mais a minha dor

Não desafogo mais
as minhas emoções
não canto nem choro
a mesma canção

O mar anda tão sem graça hoje
o azul e o verde
trocados pelo cinza-negro
da minha solidão
do meu vazio sem solução…

As marés nada mais são
que minhas lágrimas
que vem e vão…
salgadas talvez
os meus olhos vermelhos
já não mergulham na paixão…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.