E tem jeito?

E tem jeito de não estar feliz perto de você,
de ser seu amigo, companheiro, verdadeiro?
E tem jeito de não sorrir quando você passa,
e de trocar olhares em meio a praça
com todos já achando graça do nosso namorico
que ainda insistimos veementemente em negar?

E tem jeito de não te admirar com esses seus gracejos
de menina mimada que se faz de difícil, mas não nega,
nem por segundo sequer, o vício de me corresponder?

Mas se eu te faço a corte, e peço permissão ao patriarca,
ainda assim, você fica sem jeito de me conceder a mão
mesmo com tanto dote a disposição…

Será que tem jeito de você parar com esse talento
de moça que sabe ser desejada, mas que não minimiza
essa injustiça de não se entregar ao matrimonio,
só pra consumir meus hormônios e minha paciência?

Tem jeito é de mandinga, coisa bem feita,
trabalho meio amarrado pra me entristecer…

Aceita viver à dois por ordem da união arranjada,
para aumentar suas posses, mas faz pose
negando-se a obedecer nossos costumes

De que mulher deve se entregar ao homem,
e o homem, honrar o seu nome pelo prazer…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.