Atestado de utopia

Ora, se é o que brota aqui dentro
se é o que nasce aqui dentro,
se é aqui dentro que fica por horas

Ora, se é por aqui que versam os meus sentimentos
se é por você que vale o que vem sendo escrito,
se esse pensamento me é entregue por idealizar,
mesmo criando expectativas nascidas da ilusão…

Ora, mesmo que eu erre, e sofra por isso,
mesmo que a tentativa me leve ao fracasso,
ainda assim é arte, ainda assim é vida

Ora, se você me ensina a pôr o pé no chão,
e mesmo que você tire o pé da lama,
ainda assim é arte, ou não?

Será que os teóricos da poesia,
estes grandes mestres que você decora,
ora, mesmo que eu não os suporte,
será que eles negariam a minha dedicatória?

Ora, porque se está aqui comigo
é porque fez chegar até mim o apreço,
ou será que enlouqueço e fantasio?

Se é assim, que nome eu dou, que título?
Por enquanto, que me diz você do meu intento?

Se por um lado demonstro que você é digno,
e se por outro reafirmo o meu atestado de utopia
por acreditar na alegria de lhe escrever…

Dois pontos

Vou perceber mais o mundo
através das suas palavras,
vou fazer das minhas palavras
o transporte da sua visão

Na existência do seu ser,
vou caminhar na sua essência,
entendendo como pensa,
o que se passa e como age
sua consciência

Sei dos muitos perigos dessa aventura,
mergulhar também nas suas doces loucuras
para compreender as minhas próprias culpas

Mesmo que distantes, o seu ponto,
o seu instante é para mim alucinante
porque a partir de você percebo um eu
que eu jamais vivi…

Seleção natural II

As coisas mudaram
os pássaros voaram
para um lugar distante

Aquilo que era tormenta
se tornou coisa pequena,
aquietou-se

Então se entende
que o tempo da gente
tem outros significados

Que nem todo sofrimento
derrama água em vão,
muitas vezes essa é a única solução
para esvaziar aquilo que está contido

E esse rio vivo que ganhou outro percurso
quase destruiu o que era bonito,
o ambiente propício do bem-querer

Os nossos segredos trancados formaram de cada lado
a barreira que foi acumulando expectativas
e na certeza das nossas vidas
fizeram uma inundação sem medida

Matando ilusões, afogando o que era belo,
e sendo sincero foi melhor assim,
seleção natural…

Ilusões do amor

E a gente achando que o amor
era essa coisa pouca que nós vivemos,
um ciúme alucinado nos adoecendo

E a gente achando que isso é amor,
fingindo uma proteção maligna,
nem um pouco digna do verdadeiro amor

E tinha gente achando que vivíamos bem,
se nem comigo me sentia feliz
como é que com você eu posso ser
tudo o que quis, depois de tanto sofrimento?

E tinha gente achando que o nosso sorriso era verdade,
quando a realidade dizia o contrário, dois corações sofridos,
muito mais que isso, o remorso e a angústia nos consumindo

E tinha gente que chamava isso de paixão,
que grande ilusão nos consumindo
era os verdadeiros sentimentos incômodos
querendo emergir para nos permitir a verdade

E a gente sufocando os nossos erros por vaidade,
nos afogando na falsa sinceridade que só diz
o que convém, o que é mais bonito de transmitir,
quando se tem apenas dois reais fatos:

Você fugindo de mim
e eu correndo de você
abraçados pelo amor
que nunca foi amor
foi ilusão que se materializou