Deixe saber

Deixe-me brincar,
zoar, fazer pada
deixa eu destilar
aparentemente
o veneno que não mata

Deixa o povo dizer
o que se quis entender
do que eu falei, mas não disse

Deixa o povo saber
que a dor do ser existe
sem, entretanto, sofrer
com o direito que me assiste

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.