Eu me rendo

Eu me rendo nas dificuldades
eu me rendo nas batalhas
eu me rendo do embate

sem propósito

Eu me rendo da ingratidão
eu me rendo das falas ásperas
eu me rendo da oposição ríspida
sem justificativa

Eu me rendo dos reclames
eu me rendo de ser vítima
eu me rendo de ser perseguido
sem ter feito a minha parte

Pai, eu me rendo em oração
eu me rendo pedindo orientação
eu me rendo por ter certeza do caminho
sem ter me levado a lugar nenhum

Pai, eu me rendo aos seus ensinamentos
eu me rendo clamando pelo seu retorno
eu me rendo novamente por você em minha vida
sem Você, eu me rendo sem rumo

Pai, eu me rendo como filho teimoso,
eu me rendo porque Você estava certo,
eu me rendo em adoração
sem demérito

Eu me rendo em contentamento
eu me rendo em reconhecimento,
eu me rendo em aprovação, pois concluí
sem Você há verdadeira rendição

No fundo do mar d’alma

Quando nenhuma letra de música
se encaixar na sua dor, mesmo que
você tente ser o personagem dela,
e por ela se fizer um dos dois protagonistas,
se esse costume não for o suficiente….

Quando, na vastidão dos repertórios
de tantos e tantos artistas,
nenhum refrão for o ideal
para o momento que você vive
arrisque-se a escrever

E também a assaltar seu coração,
denunciá-lo a outro, apreendê-lo ao próximo
E também a anunciar sem medo a voz de prisão

Quando nenhuma voz dentre as tantas vozes
magníficas que aplaudimos for capaz de ser
intérprete do seu sentimento, poema-se

Mesmo quando você procurar até nas traduções
De majestosas canções internacionais, se não resta
esse recurso da arte pela voz, desenhe-se

Quando nem as músicas bregas ou as românticas batidas derem conta do recado,
pinta-se, toca-se, instrumente-se, aumenta-se, projete-se no seu talento

Porque a qualquer hora, e aposte, pois não demora,
Você será aplauso e elogio, receberá o carinho
por deixar de consumir significados alheios…

Por ter mergulhado de peito aberto no seu ser
para trazer à superfície aquilo que muitos preferem manter no fundo do mar d’alma

Sou lâmpada

Senhor, eu que sou pequeno
mesmo que o mundo me exalte,
sei que não sou nada sem sua orientação…

É sob seus olhos que eu quero ser guardado,
sob Sua benção, é do Seu prazer que minha alma quer beber,
nas Suas águas navegar, pelo farol do Seu conselho me dirigir

Senhor, eu que sou tão pequeno,
espelho quebrado sem Você…
Eu que não mereço nenhum elogio,
nenhuma palavra de gratidão,
eu não faço nada…

Senhor, me faça ponte da Sua missão,
me usa como instrumento, coloca Sua mão em mim,
me guia, me molda, consola meu coração, expande
com perfeição o Seu amor supremo

É por isso que me faço pequeno
porque carne nenhuma, em momento algum
tem a capacidade de receber tamanha carga
desse amor infinito que vem com o Seu santo nome

É por isso que sou apenas pequena lâmpada,
que acende para ascender em manifestação da Sua ação…

Não sou eu quem brilha, só estou a frente da Sua conduta,
como a lua a frente do sol, que sem a Sua presença escurece
em um eclipse total de perdição….

Estágios de Deus

Deus, maravilhoso na concepção de cada um de nós,
tem feito, em meio a tantas formas, seja elemento natural,
seja poeira do cosmo, figura transcendental, seja Ele
energia que nos move, sentimento de amor puro que nos enche…

Deus, de tantos nomes e faces, seja na figura dos homens,
ou dos anjos, ou representação das artes, em todos os casos…

Deus, soberano que quer o melhor, que das nossas lutas
coloca-se na frente, como escudo dos injustos e como espada
aos que de má fé O usam….

Essa figura Maior, que muitos abusam,
se apropriam da Sua força, que praguejam
em Seu nome, impondo o medo pelo amor de Deus,
invertendo Sua Essência, a todos estes ignorantes,
não de maços de papel, nem de procedimentos religiosos,
mas da própria Força presente em cada um…

A todos estes eu clamo que o verdadeiro Amor desperte
e bata no peito, respeitando o Ser Divino do outro,
Amém!

Verdadeiro amigo

Você tem importância ímpar na minha vida
pessoa amiga que aos meus desejos
deu um jeito de revitalizar

Você contribui muito mais do que pode,
e não é nas suas falas nobres, nem em
seus gestos de carinho – que, claro,
são sempre bem-vindos… –

Os resultados são sempre
pensados e refletidos
por longas horas depois
da sua conduta para o meu conflito

O diálogo com você, só ganha dimensão de atitude
quando eu, imune de meus próprios preconceitos,
vejo em seus conselhos, uma prévia do meu potencial
que é sempre mais duro de enxergar sozinho

São esses nossos bate-papos que me fazem ter o pé no chão,
que faz o sonho, ao contrário, voar, e a minha pessoa a acreditar
que pode muito mais, na tentativa de conquistar o merecido

São essas nossas conversas cheias de risada
e essa seriedade disfarçada de sorriso
que me faz acreditar realmente no sentido
de se ter um verdadeiro amigo…

Primeiro amigo

Tenho pensado em você recentemente
como forma presente de gratidão
por ser você um presente
aquele que chamo de irmão

Tenho colhido de forma contida
as alegrias, as vitórias da vida
que Deus me deu

Por achar, por vezes que não mereço,
você tem sido a mão que me empurra
pra uma felicidade ao qual lutei
e agora, porque não sei, pela materialização,
acho que é muito pra mim

Você tem me provado que em meio a tantas falas falsas
e depois de muitas amizades renegadas, você tem me mostrado
que esperar tem valido a pena, que foi válido o sofrimento
para que nesse presente momento eu entendesse o porque
da força do bem-querer sincero, pela amizade que soma

Porque eu vivi de muitas que foram subtração
enganado por tantas invejas disfarçadas de mão amiga,
de uma mão que fingia me acolher, mas na verdade
colhia eram minhas aspirações na inveja cega da ingratidão

Você tem sido operação crescente de cumplicidade,
de um companherismo que não me suga, é pra você
que me doa tempo e conselhos, e não como aqueles
que de mim queriam apenas tirar proveito,
é a você, meu amigo primeiro, que eu desejo preservar

(Para Igor Calil)

Eco literário

Na parte que me cabe perdão, perdoa, por favor,
mas me absolva pelo coração, não pela condição de setenta vezes sete…
Na parte que me cabe desculpa, desculpe,
não pelas historias que tivemos, pois nunca fomos imunes aos erros…

Mas uma palavra mal aplicada causa transtornos que nem dez mil palavras abençoadas resolvem…

Aliás, não quero que essas estrofes, em absoluto, te comovam, apenas desejo que elas ecoem para todo o sempre que eu não sou perfeito…

Prosa íntima

E então as coisas mudaram,
cá estamos nós, sozinhos,
pensando nos planos e nos caminhos
que não seguiram em frente,
de muitas portas fechadas
que a certeza errada do nosso ser,
tão inconformado com o destino,
quis entrar…

E cá então estamos nós
com tantos nós que não se desfizeram,
com tantos cruzamentos que se impuseram
de forma inesperada

E o relógio nem sempre badalou às doze em ponto,
mas esse é o sempre o ponto: a hora passou!
E por ter passado, o futuro que se planejou, sim,
virou passado que não se concretizou

E há sempre a culpa, a lamentação, e a pergunta,
a insuportável dúvida de onde foi que eu errei…
E as portas se fecharam, dos sonhos traçados
nós acordamos, e tontos não sabíamos mais onde pisar

Porque quando tudo parece certo e perfeitamente
correto com o nosso pensamento, quando a vida,
essa sacana, está do nosso lado, é tudo maravilha
a estrada toda traçada a gente caminha com alegria

Mas quando em um pedágio é preciso desviar,
quando a estrada precisa mudar, fica muito complicado,
é muito difícil readaptar a rota, porque o humano
não sabe fechar as portas e usar as janelas da alma
nem que seja de forma intuitiva…

A vida, que era sempre uma linda rima,
vira agora totalmente penosa e desiludida
e nos resta apenas trocar o verso
por uma prosa íntima….

Poesia jovem

De todas as pessoas que de mim mereceram poema
você é a poesia mais doce e jovem, do rosto tranquilo
de uma criança nem tanto assim indefesa que, por certo,
desfaz esse sorriso simples em um olhar destemido….

Você, deste jeito tão solícito no carinho, sei bem,
e muito bem, que guarda no olhar quando preciso,
pedras muito rígidas negras como turmalina,
um presságio de seriedade na calmaria
daquele que quase nunca chove

Seus belos sorrisos dão lugar ao lábio firme,
fechado e seco, impondo respeito, mas sem morde-los,
transmitindo assim, em mim, a segurança daqueles que,
de forma alguma, na seriedade da tempestade,
quando o seu mundo lindo cai na penumbra,
pelo despeito de palavra ruim que lhe atinge,
prova a todos que não se intimida apesar da ferida
que lhe abriram no peito

Minha poesia mais jovem e doce
mesmo que eu não lhe domine,
sei muito bem da capacidade dos seus versos
nem sempre contados, nem sempre ritmados,
como quem denuncia o mistério que ronda
a sua calma e a sua sagacidade de no momento certo,
nem cedo, nem tarde, impor-se por completo…..

A eternidade de um amor que se finda

Eu sei que você pode ser cruel, apesar de dizer que me ama,
eu sei do revés que virá se eu fugir da linha….
Eu sei que você me adora hoje intensamente,
mas também seria ingenuidade não ver a fera
que habita seus olhos quando os lábios
pronunciam singelas palavras de carinho

Eu sei que o rio que refresca e me dá água doce,
eu sei que esse mesmo rio do qual bebo tranquilo
deságua como um vício em mar tenebroso,
de águas escuras e salgadas, capaz de me levar para baixo,
para as profundezas, me matar nas correntezas e me jogar nas pedras do desprezo

Eu sei que as mãos que afagam também sabem se fechar,
eu sei muito bem que o presente que me entrega,
pode vir a ser mera lembrança de um passado bom
e aquela carta amassada que você rasgou com ira,
eu sei que um dia me trouxe belas rimas

Eu sei muito bem que a língua que me invade
que vasculha dentro de mim a verdade do amor
amanhã terá a aspereza da indelicadeza de não, infelizmente,
ter a generosidade para preservar nossa intimidade, sendo afiada,
desafiadora de minhas mágoas mais fortes, quando o que era inquestionável:

A eternidade de um amor que se finda

Pobre coitado

Não sou obrigado a gostar de quem não gosta de mim,
eu suporto, mas não gosto… Quando é possível se afastar…
Vem cá, bem cá entre nós, vou te falar a verdade

Essa falsidade falsificada de amizade
não me engana, nem adianta,
não vem que não tem,
tentando me deixar mal
não vai durar muito ao meu lado

Eu quero é respeito, sim
eu mereço, sim
se está pensando que vai puxar meu tapete,
não tente, não perca seu tempo,
que de tapete eu não caio

Isso é pra quem está lá embaixo, como você,
eu já subi a escada do sucesso, e essa sua inveja
querido, eu não tolero

Eu quero ser bem tratado, sim
eu quero comigo quem me faz bem
e não é qualquer um,
não é ninguém que viva de tratos,
contratos de relacionamento interesseiros

Eu mereço educação, sim
coração, se você pensa que vai me ver por baixo,
muito pelo contrário, eu não me faço de coitado
pra conseguir sequer um mísero trocado

E, meu caro, quando eu estiver por cima de novo,
mesmo quando eu puder pisar no seu calo,
eu estarei muito ocupado sendo feliz
e você, pobre coitado, vai continuar
rastejando ao meu lado se dizendo infeliz….

Onde está você agora

Eu quero de você a voz grave, mas doce
esse timbre que entrega o romantismo,
que denuncia seus desejos de forma
tranquilamente sedutora

Esse tom tão seguro,
que não desce, nem sobe,
mantendo-se sempre na mesma vibração

Quero viajar de olhos fechados
só por detectar a sonoridade
de uma voz conhecida

Eu quero que minha pele suba
só para te aplaudir, e que minha alma,
ah, que ela peça sempre bis, mesmo em silêncio

Eu quero cantar baixinho em transe
mesmo que eu não saiba nenhuma letra de amor brega.
Vou me envolver naturalmente na onda do seu lábio
que se movimenta suavemente para me pedir informação

E vou gravar a canção da sua pergunta no meu peito
para que eu ouça mais de uma vez, também o seu obrigado,
mesmo quando eu fiquei encantada demais para te dar resposta,
e você, tão especial, abriu o meu ser em um sorriso, e atravessou a rua…

Oferenda

Oia pra você, menino
seu lindo sorriso
seu encanto divino
oia pra você, ome

Nota a sua graça, diacho
que parece oferenda
fruto de despacho
para atazanar meu coração

Caboclo, louco, menino preto
uruca do destino, vício de cigarro,
tal qual tabaco mal fumado,
meu coração maltratado
inventou-se de se apaixonar

O que volta todos os anos – Anniversarius

[Pelo aniversário de Diego Lima]

Ainda que o folheto me lembre sempre das datas,
ainda que todos os anos elas se repitam, os sentimentos,
as alegrias da vida mudam e se multiplicam a cada novo começo

Ainda que todo o aniversário tenha sido agendado
para o bem-estar daqueles que nos cercam, causando,
às vezes, reboliço e contentamento, é fácil entender
que alguns aniversariantes sejam reservados

Há muitos esse dia causa reflexão
e claro, por que não ser assim?
É natural a você e a mim
esse momento de autoavalição

E mesmo cercado de comemoração,
de muitos e corriqueiros desejos
e felicitações para bons acontecimentos…

Ainda que seja previsível e rotineiro
essa enxurrada de ligações e recados,
eu não poderia me furtar da tradição
e de ser até mais um na multidão do carinho,
do bem-querer de seus atos e futuros passos

Ainda que no calendário sempre fique o compromisso
é com você, meu quase comparsa, o meu trabalho primário…

Porque antes do poeta, vem o motivo, e antes da rima,
antes de qualquer poesia, vem o amigo,
antes de mais uma nostalgia da sua vida, vem o meu dever
de exercer esse meu dom por aqueles que valem a pena

Pode parecer besteira, mas quando vi na mesa, no meu calendário o seu dia,
cá estou eu me assustando para descobrir como eu posso ainda te surpreender
pois que já são alguns anos celebrando, e confesso, não é fácil se reiventar,
nem mesmo pra você, que tem tantas virtudes, tantas qualidades, me dando o privilégio
de, por mais de uma vezes, ser o personagem da minha arte, – esse presente que Deus me deu -,
e que repasso com carinho, – o que para muitos seria deselegância -é, para mim, uma honra..